LIRAa revela que Cabo Frio tem baixo risco de infestação do Aedes aegypti

O último Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), realizado em Cabo Frio, identificou baixo risco de infestação do mosquito responsável por doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Depois de dois anos suspenso por conta da pandemia da covid-19, o monitoramento voltou a ser realizado em outubro e o resultado foi divulgado esta semana.

A medição do LIRAa identifica, por meio de estudos estatísticos e probabilidade, a possibilidade de proliferação do mosquito e, consequentemente, de uma epidemia. Ele também orienta sobre medidas de prevenção e combate ao vetor.

A equipe de Vigilância em Saúde Ambiental de Cabo Frio percorreu 7.033 imóveis da cidade entre os dias 17 e 23 de outubro. Os dados apontaram focos do mosquito em 63 imóveis visitados, o que totaliza 0,9% do índice de infestação, valor considerado de baixo risco de acordo com as diretrizes adotadas pelo Ministério da Saúde.

Segundo o levantamento, os índices de infestação predial inferiores a 1% estão em condições satisfatórias. Entre 1 a 3,9%, estão em situação de alerta. Se o índice de infestação estiver acima de 4%, há risco de surto de dengue. O objetivo do estudo é para direcionar as ações de controle do mosquito para as áreas mais críticas.

O calendário de medição do LIRAa é definido pelo Governo do Estado e prevê quatro ciclos, com intervalos regulares, mas que podem ser modificados em caso de necessidade da Secretaria Estadual de Saúde. Com o retorno das ações, a Secretaria Municipal de Saúde de Cabo Frio aguarda a liberação do calendário até o fim do ano.

Mesmo com o LIRAa suspenso, durante o período pandêmico os agentes de endemias do município continuaram realizando a aplicação de larvicidas na cidade. A sequência dos trabalhos garantiu o resultado positivo do índice em 2021. Apesar do baixo risco, toda a população deve ficar atenta e realizar as ações de prevenção para coibir a proliferação do mosquito.

“A continuidade dos trabalhos, mesmo no período pandêmico, permitiu o controle do mosquito da dengue. Agora, estamos no período de chuvas constantes e grande parte dos criadouros continua dentro das casas, como vasos e pratos, frascos com plantas, bebedouros de animais, entre outros. A população tem que ter consciência dos riscos das doenças causadas pelo mosquito, e sempre olhar os possíveis focos que possam ter acúmulo de água”, disse a coordenadora da Vigilância em Saúde Ambiental, Andreia Nogueira.

Além desse levantamento, a Vigilância em Saúde Ambiental de Cabo Frio possui ações permanentes durante todo o ano. Os agentes do setor percorrem constantemente os bairros da cidade atuando no controle e focos do mosquito e os criadouros predominantes. Na ação, são utilizados carros e motofogs que pulverizam repelente natural de citronela, uma planta que possui propriedades insetífugas, mantendo todos os tipos de mosquitos afastados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here