MPRJ ajuíza ação contra grupo ligado ao ex-prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa, por fraudes em licitações

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ), ajuizou Ação Civil Pública (ACP) por improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Cabo Frio Alair Corrêa, outras cinco pessoas e duas empresas, devido a fraudes verificadas em licitações e contratos administrativos firmados entre o Município de Cabo Frio e uma sociedade locadora de máquinas e veículos.

De acordo com a ACP, ajuizada a partir do inquérito civil nº 27/2016, instaurado pela 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo de Cabo Frio, os contratos administrativos pactuados entre o Município de Cabo Frio e a empresa Córrego Rico Transporte Ltda, firmados durante a gestão do ex-prefeito Alair Correa, geraram prejuízo aos cofres públicos superiores a R$ 62 milhões.

O contrato administrativo 84/2013, com valor histórico de R$ 17.938.800,00, foi firmado após a realização de Pregão Presencial cuja abertura foi solicitada pelo réu e então secretário municipal de Obras Antônio Paulo dos Santos Castro e destinava-se à locação de veículos e máquinas para efetuar limpeza nas ruas, parques e jardins, além de limpeza de esgotamento pluvial e aterro sanitário.

Com o desenvolvimento das investigações, tomou-se ciência de pregão posterior, realizado pela Prefeitura, lançado para contratação de empresa prestadora de serviços de locação de veículos e máquinas, que resultou na assinatura do contrato administrativo 83/2014, com valor histórico de R$ 27.117.552,00.

Apesar do alto valor das contratações, no primeiro pregão apenas duas sociedades fizeram a retirada do edital (Córrego Rico e J.M Terra Construtora), ambas rés na ACP e pertencentes a um mesmo grupo empresarial, comprovando-se ainda, durante as fases da licitação, inúmeras outras fraudes praticadas para beneficiar a sociedade Córrego Rico, que sagrou-se vencedora nos dois certames lançados pelo ente público e impugnados na ação.

Também foram apontadas irregularidades no que tange à pactuação de termos aditivos aos contratos firmados, uso de documentos falsos e de “empresas-fantasmas”, tudo a indicar o direcionamento e a intenção deliberada de fazer com que a Administração Pública contratasse a sociedade Córrego Rico e, em seguida, mantivesse o vínculo contratual com a empresa, atendendo assim aos interesses particulares dos gestores públicos municipais e dos demais réus.

Em seus pedidos, requer o MPRJ, além do ressarcimento ao erário dos valores indevidamente gastos, a condenação dos réus por atos de improbidade administrativa, a indisponibilidade dos bens dos demandados, a declaração de nulidade dos atos administrativos referentes aos pregões presenciais nº 05/2013 e 30/2014 e dos contratos administrativos nº 84/2013 e 83/2014 e a condenação da sociedade Córrego Rico às penas previstas na Lei Anticorrupção.

 

Alair Corrêa se manifestou. Confira nota na íntegra:

“Como foi comentado, o MP entrou com ação de improbidade contra mim, aproveitando denúncia feita pela oposição sobre alugueis de equipamentos. Quando enfrentamos a crise financeira, os adversários se aproveitaram do momento para me incriminar de qualquer jeito. Vale lembrar que, à época da denúncia, eu ainda era um possível candidato à reeleição.

Sabemos que o MP, quando provocado, investe na denúncia recebida e foi o que aconteceu. Agora, passados 3 anos, ofereceu essa denúncia. Esclarecemos a todos o seguinte: SER DENUNCIADO É DIFERENTE DE SER CONDENADO. NESSE CASO, NÃO HOUVE JULGAMENTO! Então, antes que algum desavisado comemore, informo: NÃO FUI CONDENADO A NADA! Como já aconteceu com outras denúncias do MP, a justiça irá me ouvir, ocasião em que mostrarei que eu como prefeito, meu governo ou a empresa prestadora do serviço não cometemos qualquer crime. Um detalhe importante: ao contrário do que assegura o denunciante quando afirma que a empresa teve vantagens nesses contratos, na verdade ela teve foi um grande prejuízo, já que a crise enfrentada pela Prefeitura impediu que a ela fossem feitos os pagamentos nas datas previstas, levando-a a ser processada pelos caminhoneiros que limpavam a cidade. Assim que for convidado pela justiça esclarecerei todas as dúvidas levantadas pelo MP. Provarei que meu governo nada fez de errado.

Bom, a tarefa do MP é apurar; a minha, enquanto denunciado, será provar que não cometi qualquer ato ilícito. Esclareço finalmente que não tenho qualquer preocupação com esse processo, pois no momento certo tudo será resolvido! Obrigado”, disse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here