Alunos da Faetec caminham de Saquarema para o Rio em protesto

Eles pretendem caminhar cerca de 100 Km até a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), na capital

Por em 17/10/2016 17h34
Alunos e professores da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) de Saquarema, na Região dos Lagos do Rio, iniciaram uma caminhada na manhã desta segunda-feira (17) em protesto em relação aos salários atrasados de servidores e falta de estrutura para estudar. Eles pretendem caminhar cerca de 100 Km até a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), na capital. 

Segundo os alunos, após o acordo de desocupação das escolas, nada foi cumprido por parte da fundação.

Os alunos da unidade Bacaxá fizeram uma caminhada que começou às 7h da manhã. Segundo eles, a caminhada termina apenas em Maricá, cidade vizinha. O grupo pretende ainda dormir em Maricá e seguir a caminha até a Alerj, na capital, nesta terça (18).

Uma das reivindicações dos servidores da limpeza, cozinha e vigilância são os salários atrasados há três meses. A empresa que presta o serviço confirmou o atraso e informou que o motivo é a inadimplência contratual da fundação, que não faz os pagamentos há sete meses.


O que diz a Faetec:

Merenda
A Faetec vem a público esclarecer a situação que envolve a paralisação do fornecimento de alimentos em algumas de suas escolas. A Fundação repudia o corte brusco na entrega de gêneros alimentícios, sem comunicação prévia. O último repasse feito para as empresas de alimentação ocorreu em agosto e, por contrato, atrasos nas parcelas não podem justificar o corte na merenda dos alunos.
Todas as empresas que não estão cumprindo suas obrigações contratuais foram notificadas e serão multadas, de acordo com os prazos previstos nos contratos e na Lei 8.666/93. A Faetec já iniciou procedimentos para a rescisão dos contratos e a contratação de novos fornecedores em caráter emergencial, caso o fornecimento não seja regularizado imediatamente.

A Faetec dispõe de R$ 2,8 milhões do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), depositados em conta, para arcar com os custos do fornecimento de merenda até o fim deste ano.


Funcionários
Sobre o atraso no pagamento dos salários dos funcionários das empresas terceirizadas, cumpre à Faetec explicar que aguarda o aumento no fluxo de caixa do Estado para quitar parcelas atrasadas. Há uma previsão de um novo repasse da Sefaz após o pagamento da folha salarial dos servidores ativos e inativos, neste mês. De qualquer maneira, a Fundação reforça que, pelos contratos firmados com os fornecedores de mão-de-obra, assim como no caso da merenda, eventuais atrasos nas faturas não podem ser usados como desculpa para o não pagamento dos salários. Novos contratos estão sendo feitos para regularizar a situação de boa parte dos nossos fornecedores e é possível que ainda tenhamos que conviver com alguns transtornos durante os próximos dias. Informaremos, assim que possível, a data oficial de pagamento das empresas terceirizadas





Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano