Aposentados e pensionistas do Estado devem ter benefícios de março parcelados

A prioridade é pagar os vencimentos totais dos servidores das áreas de Educação, Saúde e Segurança Pública.

Por Redação JS* em 09/04/2016 13h13

Até este sábado, o governo do estado não tem dinheiro para pagar, integralmente os 248 mil servidores aposentados e pensionistas. A política de “carreiras de estado”, sugestão do governador em exercício, Francisco Dornelles, não inclui os inativos no grupo dos que receberão seus salários por completo. Segundo fontes do governo, a conta, hoje, prevê pagamento de R$ 1.500 para todos os inativos no dia 14, 10º dia útil. Essa é a projeção atual, a mais pessimista.


Uma reunião, na segunda-feira, às 16h30m, entre secretários e Dornelles, baterá o martelo sobre quanto será pago de aposentadoria e pensão. Ainda existe a esperança de que a arrecadação consiga alcançar uma parcela considerável dos inativos.


A prioridade é pagar os vencimentos totais dos servidores das áreas de Educação, Saúde e Segurança Pública. Os ativos destas categorias estão na lista dos que terão depósitos totais no dia 14 de abril. Somados os três setores de serviço, são cerca de 174 mil servidores.


Na manhã desta sexta-feira, o governo do estado anunciou que professores e policiais, civis e militares, profissionais da segurança, agentes penitenciários, e servidores da saúde estam incluídos na lista. Quem não está nesses grupos deverá ter o salário parcelado.


A decisão deve acirrar ainda mais os ânimos dos servidores. Ontem, com a perspectiva de pagamento apenas para professores e policiais civis e militares, membros do Movimento Único dos Trabalhadores do Estado do Rio (Muspe) afirmaram que a seleção visa “dividir o movimento grevista”. Segundo o grupo, as categorias que receberem em dia continuarão apoiando a paralisação.






Foto: Thiago Freitas

*Matéria Extra

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Violência desenfreada