Búzios adota radar para controlar o trânsito

Por Ascom Búzios em 15/01/2016 09h03

Motoristas que passarem por Búzios estão sendo fiscalizados por radares, que foram colocados na cidade no último mês, que tem como objetivo educar aqueles que excedem o limite de velocidade.



O sistema metrológico de fiscalização utilizado na cidade são controladores de velocidade e não redutores de velocidade. No caso, 40 km para vias coletoras (Cap. III das Normas Gerais de Circulação e Conduta – Art. 61 CTB). A Avenida José Bento Ribeiro Dantas é regulamentada como via coletora pela autoridade de trânsito municipal.



O uso de display se faz necessário quando há redutor eletrônico de velocidade destinado a fiscalizar a redução pontual de velocidade em trecho considerado crítico cujo limite é diferenciado do limite máximo regulamentado para via ou trecho em um ponto específico indicado por meio de fiscalização. (Exemplo: se faz necessário o uso do display em uma via de trânsito rápido, em um trecho específico com radar redutor de velocidade de 50 km). 



Resolução 396 Art. 1º, § 2º: Quando for utilizado redutor eletrônico de velocidade, o equipamento deverá ser dotado de dispositivo “display” que mostre aos condutores a velocidade medida.


De acordo com a Resolução Nº 396, 13/12/11, não se faz necessário identificar o local onde está o controlador de velocidade, e sim, informar a velocidade máxima permitida na via. (placa R.19).


Segundo o coordenador de Trânsito e Transporte, Hercules Alexandre, informar o local onde está o radar seria o mesmo que dizer ao condutor para trafegar na velocidade máxima permitida apenas no local onde está o mesmo. Os controladores não foram colocados como forma de punição ou arrecadação, mas sim para educar o condutor e diminuir o índice de acidentes em trechos que os condutores costumam imprimir maior velocidade.

Tópicos: radar , Bùzios

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Famílias destruídas