CCJ da Alerj decide pela soltura de Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo

Por 4 votos a 2 e uma abstenção, membros da comissão decidiram revogar prisões dos três colegas

Por em 17/11/2017 15h19
Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta sexta-feira (17) o parecer pela soltura dos deputados Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB. O trio teve a prisão decretada pela Tribunal Regonal Federal da 2ª Região (TRF-2) na quinta (16).

O resultado final da sessão da CCJ, que foi realizada a portas fechadas, foi de 4 votos pela libertação dos parlamentares - Gustavo Tutuca (PMDB), Milton Rangel (DEM), Rosenverg Reis (PMDB) e o presidente, Chiquinho da Mangueira (Podemos) - contra dois pela manutenção da prisão: Luiz Paulo (PSDB) e Carlos Minc (sem partido). Rafael Picciani (PMDB), filho de Jorge Picciani, se absteve.

A sessão começou às 13h18, mas a maioria dos sete titulares da comissão decidiu deliberar a portas fechadas, sem a presença da imprensa. Votaram pela sessão reservada os mesmos quatro deputados que decidiram revogar as prisões.

Pela reunião a portas abertas votaram Luiz Paulo, Carlos Minc e Rafael Picciani - o voto deste último surpreendeu Chiquinho: "Aberta?", questionou, para ver Rafael confirmar sua posição. "É, aberta".

O parecer da CCJ segue, apenas como recomendação, para o plenário da Alerj, onde deve ser votado ainda nesta tarde. Albertassi e Paulo Melo, que eram membros titulares da CCJ, foram substituídos por Gustavo Tutuca e Rosenverg Reis, respectivamente. Os substitutos também são do PMDB.



Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Feminicídio - Editorial JS