Cerca de 137 mil inativos ficarão sem benefício e servidores querem explicações

Ao todo, 137 mil servidores não terão nada para pagar suas contas do mês ou dívidas passadas.

Por Redação JS em 13/04/2016 08h54

Aposentados e pensionistas do Estado que recebem benefício líquido superior a R$ 2 mil não serão pagos amanhã. Foi essa a decisão do governo do estado. Ao todo, 137 mil servidores não terão nada para pagar suas contas do mês ou dívidas passadas. A projeção do estado é de quitar essa pendência até o dia 12 de maio, mas a projeção é que o atraso dure até a data limite. Os 111 mil inativos que recebem menos de R$ 2 mil líquidos terão o valor depositado em suas contas.


O martelo foi batido em reunião na manhã de ontem, onde foi estabelecida a prioridade aos ativos. Os quase 217 mil servidores receberão seus salários integralmente amanhã. O desembolso total do Estado para o pagamento de 328.202 pessoas será de R$ 819 milhões.


A decisão quebra a promessa feita pelo governador em exercício, Francisco Dornelles, feita em entrevista na última semana. No encontro, Dornelles garantiu que todos os servidores teriam direito a alguma parcela dos seus salários amanhã, 10º dia útil do mês.


A outra alternativa articulada pelo governo era a de priorizar categorias. Servidores ativos vinculados à Educação, à Segurança Pública e à Saúde teriam salários inteiros. Enquanto o restante que recebesse mais de R$ 1,5 mil, teria seus salários parcelados.


Reunião com servidores para se explicar


Hoje, uma reunião, na parte da tarde, entre secretários de governo e membros do Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado (Muspe) servirá para que o Executivo apresente suas justificativas para deixar 137 mil ex-funcionários sem benefícios.


Os servidores esperam a presença do secretário de Fazenda, Julio Bueno, da secretária de Planejamento, Cláudia Uchôa, do secretário da Casa Civil, Leonardo Espíndola e, principalmente, do governador em exercício, Francisco Dornelles. A decisão de não pagar parte do funcionalismo não caiu bem entre membros do movimento. Líderes de categoria, por exemplo, lembraram que serão cobrados pelos inativos em função da decisão do governo.


O Muspe fará ato, na parte da tarde, em frente à Alerj. A manifestação ainda prevê uma caminhada em direção a Secretaria de Fazenda, na Rua Buenos Aires, no Centro.






Foto: Daniel Marenco / Agencia O Globo

*Matéria O Extra

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano