Com salários atrasados, professor de Cabo Frio vende bala em ônibus para pagar aluguel

Caso aconteceu nesta quarta-feira, dentro de um ônibus da 1001

Por Redação JS em 15/06/2016 17h10

Os atrasos salariais, não pagamento de adicionais, não recebimento do vale transporte, vêm trazendo um enorme transtorno para todos os funcionários que passam problemas financeiros.


O professor Bruno, do Colégio Municipal Edilson Duarte, resolveu agir para não ser despejado pelo não pagamento do aluguel. Bruno comprou caixas de balas, e foi para os ônibus vender para repor parte da renda que têm perdido. “Estou vendendo bala para pagar contas atrasadas, porque infelizmente meu salário está atrasado, vou acabar sendo despejado, não posso deixar minha família passar por isso”, disse o professor.





Quem capturou o momento em que o professor vendia as balas, foi Luiz Onofre, funcionário da Fiscalização de Postura de Cabo Frio, que estava em um ônibus da Empresa 1001, linha Unamar x Rio das Ostras. “Também estou passando por dificuldades financeiras, em função dos atrasos salariais. Quando vi que ele estava vendendo, pedi para filmar, ele deixou, e me disse que se chamava Bruno e trabalhava no Colégio Edilson Duarte, mas ele desceu rápido e não consegui pegar outras informações com ele”, disse Luiz.

 

"Estou vendendo bala, para poder pagar contas atrasadas, porque infelizmente meu salário de professor está atrasado e se eu ficar à mercê da Prefeitura vou acabar correndo o risco de ser despejado e não posso deixar minha família passar por uma situação dessa. É por isso que estou me virando para pelo menos garantir as contas básicas, aluguel, água e luz pagas, para ter um pouco de tranquilidade para trabalhar, porque mesmo sem receber salário e vale transporte, a gente vai para a sala de aula porque temos compromisso com e ensino e a educação dos alunos. Se por o acaso você quiser me dar uma força neste momento tão constrangedor, que eu e todos os professores estamos atravessando, não somente em Cabo Frio, mas no Estado do Rio todo, comprando uma bala comigo, eu agradeço imensamente pela ajuda, estou vendendo uma bala a R$2,00”, disse o professor Bruno.

 

O Portal JS entrou em contato com o colégio e está esperando o retorno do professor.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Famílias destruídas