Conheça a história de um dos macaenses selecionados para conduzir a tocha das Olimpíadas 2016

Rossine, um aposentado de 78 anos, tem uma linda história com o esporte e não esconde a emoção de participar da programação de um dos maiores eventos do esporte mundial

Por Redação JS em 07/07/2016 11h30
Os cabelos brancos e as muitas histórias de quem acompanhou de perto a transformação de Macaé - então um pequeno lugarejo, ainda com casas de sapê - para a cidade que é hoje, podem até denunciar a idade. Mas, basta um pouco mais de uma hora de conversa com o professor aposentado Rossine Medeiros, para perceber que o tempo é um aliado, quando se vive com alegria e amor à profissão escolhida. Rossine é um dos macaenses selecionados para conduzir a tocha dos Jogos Olímpicos de 2016, que passará por Macaé no dia 31 de julho.

Prestes a completar 79 anos (no dia 2 de agosto), Rossine não esconde a emoção de participar da programação de um dos maiores eventos do esporte mundial e aguarda ansiosamente para o dia da abertura da programação esportiva no Rio. Ele é um dos milhares que estarão no Maracanã.

"Nunca imaginei que veria uma olimpíada no Brasil. É um sonho e um privilégio participar de alguma forma, carregando a tocha. Eu nunca fui a alguma, mas acompanho os jogos desde 1964 quando Aída dos Santos, uma colega, participou do salto à distância, com toda dificuldade, e se destacou. Uma mulher negra, moradora de comunidade em Niterói. Ninguém imaginou que ela chegaria onde chegou", conta Rossine, que também carregou a tocha, em Macaé, nos Jogos Panamericanos em 2007.

Enquanto conta a história de sua vida, Rossine (natural de Santo Antônio de Pádua) mostra, com orgulho, um documento amarelado pelo tempo, mas cuidadosamente plastificado. Nele está o registro de seu primeiro emprego como professor em Macaé, no dia 2/7/1963, no Colégio Matias Neto. O valor do salário era 28 mil cruzeiros. "Vim para Macaé para servir ao Exército e cheguei a ser cabo no quartel. Estava no último ano do curso de Formação de Professores de Educação Física. Quando dei baixa, fui para o Matias Neto. Depois fui para o Luiz Reid, onde fiquei 25 anos como professor e 15 anos como diretor", conta.

Olimpíadas escolares - A paixão pelo esporte é tanta, que Rossine organizou algumas olimpíadas escolares durante anos. E era tudo improvisado. "Fazíamos bolas de meia, halteres de madeira. Para fazer as caixas de salto, conseguimos uma carroça de areia. Tivemos futebol de campo, salto em altura. Todo ano tinha uma olimpíada. Até que comecei a ficar sozinho e ter mais dificuldade", ressalta.

Mas desistir é uma palavra que não existe no dicionário do professor, que logo depois começou a organizar maratonas. "A primeira era do Mirante à prefeitura, na época, década de 1970. Os números dos corredores eram feitos de cartolina. Nessa primeira vez, foram quatro corredores. No segundo ano, foram 110 participantes de diversas faixas etárias. E daí, surgiu a ideia para a corrida de bicicleta, de Rio das Ostras a Macaé. Logo depois, fizemos a corrida noturna que saía do quartel do exército, rodava por bairros como Miramar, Visconde, Cajueiros, até voltar pela Rui Barbosa, Imbetiba e chegar no quartel pelo portão dos fundos", enfatiza.

Dessas experiências, não demorou muito para que Rossine organizasse as Olimpíadas do Norte Fluminense, com corridas que envolviam participantes de Conceição de Macabu e outros. "Eu já fui jogador de basquete, em 1962, e cheguei a ir de ônibus de Macaé para o Uruguai assistir ao campeonato de basquete lá, mas eu era muito ruim. Nunca fui um atleta muito bom, mas sempre fui muito entusiasmado e levei isso a meus alunos, que se destacavam nos esportes que faziam", ressalta, lembrando de um time de basquete feminino que fez muito sucesso na década de 70, no Matias Neto. "Fomos pentacampeões nos Jogos de Primavera organizados por Mário Filho, do Jornal dos Esportes".


Natação - Apesar de estar aposentado desde 1991, Rossine ainda dá aula de hidroginástica no Cemeaes. Para animar as aulas, o repertório musical é cheio de marchinhas de Carnaval. Mas num passado não muito distante, o professor deu muitas aulas de natação.

Bem antes da aposentadoria, em 1972, ele já mostrava seus dotes como professor de natação no Iate Clube de Macaé, onde ficou por dois anos.

"Eu aprendi a nadar no rio que passava por trás de minha casa. Meu pai jogava a gente na água e a gente tinha que se virar. Assim eu aprendi e acabei dando aulas para muita gente conhecida na cidade. Dei aula para os pais e até para os filhos. Já dei aula de natação para bebês. Sempre gostei de incentivar", diz o aposentado, que, para manter a forma, corre e nada todos os dias pela manhã. 

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Outubro Rosa