Consciência Humana

Por em 23/11/2015 10h14

Muitos brasileiros comemoram o 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, desde o início da década de 1970. Esse dia é conhecido pela morte do líder Zumbi dos Palmares, em 1695. Ele foi um dos principais personagens históricos que lutou pela libertação dos negros escravizados durante o período colonial no Brasil. O dia 20 de novembro faz menção à consciência negra, a fim de ressaltar as dificuldades que os negros passam há séculos. A escolha da data foi em homenagem a Zumbi, o último líder do Quilombo dos Palmares, em conseqüência de sua morte. Zumbi foi morto por ser traído por Antônio Soares, um de seus capitães. A localização do quilombo ficava onde é hoje o estado de Alagoas, na serra da Barriga. A criação desta data foi importante, pois serve como um momento de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Os negros africanos colaboraram muito, durante nossa história, nos aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos de nosso país. É um dia que devemos comemorar nas escolas, nos espaços culturais e em outros locais, valorizando a cultura afro-brasileira. Esta data nos leva a pensar sobre a situação do negro no nosso país. Os negros são 50,7% da população brasileira, mas 126 anos após a edição da Lei Áurea, que aboliu a escravatura no Brasil, o país ainda enfrenta o preconceito racial de parcela da sociedade. Com tantos problemas no nosso país, como crianças sendo abusadas, mulheres sendo mortas, estupradas, pessoas passando fome, morrendo sem um atendimento médico adequado, e encontramos pessoas preocupadas com a “cor” de outras, isso é um absurdo. Encontrei um texto que merece toda nossa reflexão. “Não precisamos de um dia da Consciência negra, branca, parda, amarela, albina, etc. Precisamos de 365 dias de Consciência Humana.”

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Deus está no controle