Criada no início de 2014, Cabofriense Fut7 vai colhendo frutos do projeto

Classificada para a fase final da Super Liga e garantido na decisão no Campeonato Carioca da modalidade, Tricolor Praiano sonha com títulos e vôos ainda maiores

Por Globoesporte em 15/09/2015 14h19

No início de 2014, a diretoria da Cabofriense deu o pontapé inicial na sua ideia de se aventurar no Futebol 7. O presidente do clube, Valdemir Mendes, deu a Dover Santos o cargo de gestor da modalidade da equipe e a missão de colocar o time da Região dos Lagos entre os principais nomes do cenário estadual. Passado pouco mais um ano e meio desde a fundação da equipe, o Tricolor Praiano não é só destaque no Rio de Janeiro, como também vai se impondo no território nacional. Garantido na fase final da Super Liga - que corresponde ao Campeonato Brasileiro da modalidade -, a Cabofriense foi além e, no último sábado, conseguiu avançar para a grande decisão do Campeonato Carioca, onde irá enfrentar o Flamengo.

Para o gestor Dover Santos, os resultados obtidos recentemente são apenas frutos de todo o trabalho desenvolvido pelo clube desde o início do projeto.

- Começamos com um sonho e sabíamos que tínhamos capacidade para alcançar, mas, no futebol, nada acontece do dia pra noite. No começo os erros são normais e vamos aprendendo com eles. O Valdemir Mendes sempre teve muita confiança na minha gestão e fico feliz de ter retribuído com as campanhas que estamos fazendo - disse Dover Santos, que ainda espera coroar o trabalho com os títulos das duas competições.

- Nosso time é muito forte e tem tudo para terminar bem o ano, se Deus quiser com títulos, mesmo sabendo que não somos favoritos. Seria a coroação do trabalho não só meu, mas de toda diretoria, comissão técnica e jogadores – destacou Dover.

Para alcançar o sucesso que vem tendo na temporada, a equipe comandada pelo técnico Cupim decidiu apostar em alguns trunfos. Um deles foi a parceria com a ADDP Cabo Frio, que ano passado disputou a Liga Nacional de Futsal, e cedeu alguns atletas ao Tricolor. Outro motivo foi a contratação de Marcelo Valencia, que era o gestor do Fut7 do Búzios e chegou na Cabofriense para assumir o cargo de diretor.

No início de 2014, a diretoria da Cabofriense deu o pontapé inicial na sua ideia de se aventurar no Futebol 7. O presidente do clube, Valdemir Mendes, deu a Dover Santos o cargo de gestor da modalidade da equipe e a missão de colocar o time da Região dos Lagos entre os principais nomes do cenário estadual. Passado pouco mais um ano e meio desde a fundação da equipe, o Tricolor Praiano não é só destaque no Rio de Janeiro, como também vai se impondo no território nacional. Garantido na fase final da Super Liga - que corresponde ao Campeonato Brasileiro da modalidade -, a Cabofriense foi além e, no último sábado, conseguiu avançar para a grande decisão do Campeonato Carioca, onde irá enfrentar o Flamengo.

Para o gestor Dover Santos, os resultados obtidos recentemente são apenas frutos de todo o trabalho desenvolvido pelo clube desde o início do projeto.

- Começamos com um sonho e sabíamos que tínhamos capacidade para alcançar, mas, no futebol, nada acontece do dia pra noite. No começo os erros são normais e vamos aprendendo com eles. O Valdemir Mendes sempre teve muita confiança na minha gestão e fico feliz de ter retribuído com as campanhas que estamos fazendo - disse Dover Santos, que ainda espera coroar o trabalho com os títulos das duas competições.

- Nosso time é muito forte e tem tudo para terminar bem o ano, se Deus quiser com títulos, mesmo sabendo que não somos favoritos. Seria a coroação do trabalho não só meu, mas de toda diretoria, comissão técnica e jogadores – destacou Dover.

Para alcançar o sucesso que vem tendo na temporada, a equipe comandada pelo técnico Cupim decidiu apostar em alguns trunfos. Um deles foi a parceria com a ADDP Cabo Frio, que ano passado disputou a Liga Nacional de Futsal, e cedeu alguns atletas ao Tricolor. Outro motivo foi a contratação de Marcelo Valencia, que era o gestor do Fut7 do Búzios e chegou na Cabofriense para assumir o cargo de diretor.

Por sinal, Marcelo foi o responsável pela contratação de parte dos atletas do elenco tricolor neste ano. Inclusive, a base composta por jogadores vindo da própria equipe de Búzios.

- Marcelo é um amante da modalidade e um grande amigo que tenho. Fizemos essa parceria já que tínhamos bons times, eu com a Cabofriense e ele com o Búzios. Acreditava que nos unindo ficaríamos mais fortes para disputar o título e não nos “matando”, já que éramos rivais por disputarmos os mesmos campeonatos. É um cara que vive muito o dia a dia e tem feito um grande trabalho junto da comissão técnica e os jogadores - destacou Dover.

Prova de todo o sucesso da Cabofriense na temporada é refletido até mesmo nos números. Incluindo os compromissos do Campeonato Carioca e da Super Liga foram 17 jogos, com 12 vitórias, 3 empates e 2 derrotas, com 48 gols marcados e 17 gols sofridos.

Para chegar à fase final da Super Liga, a Cabofriense percorreu um árduo caminho. Isso porque o Tricolor Praiano precisou na etapa do campeonato, realizada em Pernambuco, vencer equipes como Botafogo, Santa Cruz e Sport.  Classificada para a fase final da competição, a equipe iniciará a briga pelo título em outubro, no Rio de Janeiro.

Grande decisão
Com a melhor campanha no Campeonato Carioca, a Cabofriense conseguiu chegar à grande final da competição no último sábado com o empate por 0 a 0 com o São Cristovão. Agora, na grande decisão, a equipe da Região dos Lagos encara o Flamengo nesta quarta-feira. A partida acontecerá no Iate Clube Jardim Guanabara, na Ilha do Governador, às 21h.

Sonhos mais altos
Além de sonhar com os títulos e a consolidação no cenário nacional, a Cabofriense tem grandes ambições para a continuidade do projeito. Isso porque o clube esboça a possibilidade de uma construção de uma arena para a modalidade em Cabo Frio. Inclusive, o projeto é tocado junto à diretora de marketing, Ana Lucia Coelho. Entretanto, ainda sem local definido, o início das obras ainda não é incerto.

- A arena vai mudar os rumos da modalidade na cidade e região. Queremos fazer algo que seja utilizado o ano inteiro. Podemos receber os jogos, eventos, tudo relacionado à modalidade e ao time. O projeto está pronto e agora estamos vendo o terreno e parceiros em potencial. É algo inédito no país o que queremos fazer – finalizou Dover.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano