Cunha nega chance de fazer delação: "Não pratiquei crime, não tenho o que delatar"

O deputado afastado também negou que tenha se reunido na noite de terça-feira com aliados para tratar sobre o assunto.

Por Redação JS* em 16/06/2016 07h05

Ventilada há bastante tempo em Brasília, caso seja cassado, de fato, o mandato de Eduardo Cunha (PMDB/RJ), a possibilidade de delação premiada foi refutada pelo próprio parlamentar nesta quarta-feira, horas após ser aprovado no Conselho de Ética da Câmara o relatório que aconselha sua cassação pelo plenário.


Em sua conta no Twitter, Cunha disparou: “Jamais falei com quem quer que seja de delação, até porque não pratiquei crime e não tenho o que delatar”. O deputado afastado também negou que tenha se reunido na noite de terça-feira com aliados para tratar sobre o assunto.



“Não fiz qualquer reunião ontem, apenas recebi vários amigos e em nenhum momento se tratou do tema”, postou Cunha, que também foi golpeado pelo bloqueio de seus bens e os de sua mulher, Claudia Cruz, segundo decisão da Justiça de Curitiba.


Cunha também fez questão de reafirmar sua inocência diante da acusação que enfrenta pelo processo no Conselho, de que teria mentido sobre a existência de contas no exterior em seu nome, durante uma sessão da CPI da Petrobras. Tais contas são apontadas como destinos suspeitos de verbas desviadas de contratos da estatal.



“É muito desagradável vir aqui toda hora e ter de contestar mentiras. Até porque a prática fascista é que a mentira repetida vira verdade”, finalizou o deputado afastado.








*Matéria Jornal Extra

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano