Eletrocutado por um cabo de energia, Gabriel espera por suporte da Ampla

Gabriel ficou 43 dias internado

Por Redação JS em 24/03/2016 07h41

Após 43 dias internados, na Clínica Hospitalar de Niterói (CHN), Gabriel de Almeida Alves, recebeu alta e já está em Praia Seca, distrito de Araruama, na casa de seus avós.


Gabriel acompanhava a jovem Gabriela Machado, que faleceu no dia 07 de fevereiro, eletrocutada por um cabo de média tensão, após passar de moto, ele sofreu queimaduras de 3º grau.


Segundo o jovem, os 43 dias em que ficou internado, foram custeados pela empresa Ampla, só que agora, impossibilitado de trabalhar, ele não tem condições de comprar seus remédios, sustentar sua esposa e 2 filhos, comprar mantimentos para casa e pagar aluguel de onde mora, em Campos dos Goytacazes, por isso está morando na casa dos seus avós em Praia Seca.


Gabriel também contou ao Portal JS, que a advogada da Ampla, Drª Adriana Custódio, teria deixado com ele um cartão com número telefônico, mas tem encontrado dificuldades para contato.


O pintor diz ter dificuldade para dormir, e durante todos os 43 dias em que ficou internado, fez uso de remédios controlados e aguarda suporte da empresa para comprar todo o medicamento. Além dos medicamentos, Gabriel não recebeu acompanhamento psicológico e se diz “mentalmente abalado” por ter visto sua amiga morrer e se ferir tentando salva-la.


Seu advogado, Dr. Wellington Matos, vem tratando do assunto.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Famílias destruídas