Estratégias buscam ampliar a segurança nas escolas de Macaé

Iniciativas foram discutidas em encontro nesta quinta-feira

Por Redação JS em 02/06/2017 04h14
Organizar ações efetivas para ampliar a segurança em 20 escolas do Ensino Fundamental. Este foi o objetivo da reunião realizada nesta quinta-feira (1) no gabinete do prefeito Dr. Aluízio, no Centro de Convenções, que contou com a presença de diretores das escolas, o secretário municipal de Educação, Guto Garcia; o delegado da 123 DP, Felipe Poyes e o secretário adjunto de Segurança Pública, Luiz Monteiro. A atenção diferenciada para estas unidades escolares é necessária para atender demandas específicas do alunado, no que se refere ao trato sócio educacional.

O alcance de soluções que contribuam para um ambiente escolar de harmonia foi destacado pelo prefeito. É preciso que cada escola identifique os problemas de acordo com a sua realidade para que, assim como no Colégio Maria Isabel, possamos implementar ações imediatas e preventivas", afirmou Dr. Aluízio.

O Colégio Maria Isabel Damasceno Simão, no Centro, já conta com iniciativas como o projeto Escola com Vida que envolve atividades esportivas, danças e música para os alunos nos horários que não estão em sala de aula; aumento do quantitativo de auxiliares de serviços escolares e gerais nos corredores e permanência da guarda municipal durante todo o dia na unidade. "Incluímos o trabalho de uma equipe para medição dos conflitos; análise de cada aluno que apresenta maior incidência de problemas feita por um grupo multidisciplinar, e o retornamos com o projeto Escola de Pais feito pela orientação educacional. Todas essas estratégias buscam favorecer para uma atmosfera escolar mais sadia e segura", explicou Guto Garcia. 

O delegado da 123 DP, Felipe Poyes, falou sobre a atuação da polícia civil em parceria com a Educação. "Os adolescentes infratores nas escolas têm prioridade. Nós pré-agendamos a apresentação deles no Ministério Público para agilizar o trabalho".

O secretário adjunto, Luiz Monteiro, explicou que a Coordenadoria de Apoio Preventivo e Educativo (Cape) possui 80 homens para atuação em palestras e rondas e patrimônio mas, que esse efetivo será realocado para atender diretamente as 20 escolas do Ensino Fundamental 2, do 6º ao 9º ano.

Entre as ações está a adoção da lei que torna obrigatória a aplicação de medidas socioeducativas nas escolas. O projeto foi proposto pelo Ministério Público e está sendo avaliado pela Procuradoria Geral do Município. A iniciativa prevê ainda a execução de programas de prevenção de conflitos com a participação de pais, alunos e professores. As equipes de mediação de conflitos escolares já estão sendo estruturadas por uma comissão de educadores.

Para o diretor do Colégio Maria Isabel, Roberto Valcácio, as medidas implementadas irão facilitar o trabalho da gestão na escola. "Hoje a escola enfrenta uma demanda social que não consegue dar conta sozinha. Todos os agentes públicos devem estar unidos para solucionar a questão da segurança nas escolas", enfatizou.

Participaram ainda da reunião a equipe da Coordenação de Segurança Escolar da Educação, demais profissionais do ensino e os diretores das escolas Raul Veiga; Eléa Tatagiba; Lions; Leonel Brizola; Botafogo; Polivalente; Juventino Pacheco; Balneário Lagomar e Hilda Ramos.

Foto: Ana Chaffin

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Outubro Rosa