IV Congresso de Dança de Cabo Frio brinda 14 anos do Núcleo Allan Lobato

Evento terá quatro dias de dança com uma programação intensa e divertida

Por Maria Antônia Casarões em 24/05/2016 12h51
Cabo Frio vai balançar com o maior congresso de dança da cidade que traz todo o glamour da dança de salão e o ritmo quente do zouk para os apaixonados desses estilos que já conquistaram a Região dos Lagos. Entre os dias 26 e 29 de maio, o litoral do Rio de Janeiro vai entrar no embalo de aulas, bailes, passeios, campeonatos, mostra de dança, tarde dançante, além de muita diversão e troca de experiências com profissionais de Cabo Frio e do Belém do Pará, que farão um show de dança e simpatia na orla da Praia do Forte e na Associação Atlética do município, onde acontecerão as aulas e os bailes. Para encher o congresso de cultura, o carimbó vai entrar na dança para expressar toda a originalidade do Pará, com ritmos quentes e batuques únicos que só o Norte do Brasil tem. De acordo com o organizador, Allan Lobato, o evento conta com dois ambientes.

- Reservamos um espaço para o carimbó e o brega, que são ritmos do Pará, e em outro ambiente teremos zouk e kizomba. Esse último estilo é uma variação do zouk e é originário da Angola -, explica Allan com entusiasmo. 

O evento é uma realização no Núcleo de dança Allan Lobato, que este ano completa 14 anos em Cabo Frio fazendo a alegria do povo e cuidando da saúde emocional e física dos cabofrienses através da dança. Para brindar essa data, a quarta edição do congresso oferece 28 aulas distribuídas em quatro dias, quatro bailes temáticos com a presença de bandas locais e Djs, que abrilhantarão as noites. Segundo Allan, o congresso desse ano tem um gosto especial por demonstrar na prática o esforço de tantos anos de trabalho. 

- Não encontro palavras para demonstrar a felicidade de estar completando 14 anos de dança em Cabo Frio. Tenho certeza que somei muito para a cidade durante esses anos. Por isso, preparei esse congresso com muito carinho, e ele está realmente especial -, revela com alegria, e diz ainda que quando se faz uma coisa com amor, não tem como dar errado. 


                         Em um relacionamento sério com Cabo Frio

O congresso faz parte de um conjunto de eventos que Allan promove em Cabo Frio. Sempre com idéias novas e com a vontade de contribuir para o turismo da cidade, Allan Lobato idealiza congressos, festas, noites especiais, campeonatos e sempre se reinventa para, por meio da dança, colocar a Cabo Frio em evidência. Para ele, a dança é capaz de trazer para o município maior giro econômico, principalmente para pousadas e restaurantes. 

- Todos os eventos que promovo colaboram para a cidade de maneira geral, pois sempre convido bailarinos de outros lugares e turistas. Quando vamos dançar em outras cidades também levamos o nome de Cabo Frio e fico muito realizado por isso -, declara. 

Apesar de não ser nascido no município, o amor pela cidade cabofriense tomou conta do bailarino que deixou a família no Belém do Pará para fazer o espetáculo da vida nas ruas de um dos lugares mais comentados e queridos do interior do estado do Rio. E foi no litoral fluminense que Allan constituiu uma nova família, composta de amigos e alunos, que hoje, fazem parte da sua vida.

- Eu vim para o Rio passar uma temporada e fui ficando, logo depois fiquei em Cabo Frio de vez e aqui realizei meu grande sonho de viver com a dança. A palavra que encontro nesse momento é gratidão. Agradeço por todos que passaram por mim ao longe desses 14 anos.

Com carinho, o mestre da dança nunca se esquece de demonstrar sua gratidão aos primeiros professores que ajudaram em sua formação, Jaime Arôxa e Marcelo Thiganá, bem como seus alunos e colegas de trabalho, que segundo ele, foram anjos em seu caminho. Allan revela ainda seu imenso agradecimento a Deus por ter colocado ele em Cabo Frio, cidade na qual foi muito feliz e espera ser cada vez mais.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Famílias destruídas