Janio Mendes: "Um dia serei o melhor prefeito dessa cidade"

Em entrevista exclusiva, o deputado estadual, Janio Mendes, falou de seu trabalho na Alerj, do empréstimo que o prefeito de Cabo Frio quer fazer e de sua relação com o antigo parceiro de eleição, Marquinho Mendes. Além de se pronunciar sobre as próximas eleições. “Cada eleição é uma história, eu estou escrevendo a história da eleição de 2016 como um projeto de vida, que é um sonho”, disse.

Por em 01/10/2015 13h32

JS: Deputado, a população de Cabo Frio quer saber o que nossos representantes fazem tanto em Brasília e na Assembleia Legislativa pela região. Como tem sido seu trabalho na Assembleia?


Janio Mendes: O trabalho tem sido muito intenso na busca dos caminhos para a região. Hoje o Estado vive um momento diferenciado, de retração de investimentos. Os únicos investimentos do Estado do Rio de Janeiro hoje são aqueles voltados para o grande compromisso da cidade e do Estado do Rio, que é a Olimpíada de 2016. Mas nós temos feito as bases para que o serviço do Estado não pare. Em nível de Região dos Lagos a gente vinha desenvolvendo grandes  obras, por exemplo, a Estrada da Integração, conseguimos fazer a instalação mureta divisória com acostamento na ViaLagos. Vamos ter início agora a mais uma dragagem na Lagoa de Araruama, localizada na região de Iguaba Grande, recursos já estão alocados na conta do município de Iguaba, que licitou a obra e vai fazer esse processo de dragagem. Nós estamos com estas medidas, permitidas com que ações planejadas do Estado sejam concluídas e o Estado não pare. Obras novas não serão iniciadas, já temos em andamento em Búzios uma obra para ser entregue, que é a Escola da Faetec, no bairro Boa Vista. Temos urbanização do Estado, aqui a gente tem Monte Alegre, Reserva do Peró, Guriri e Jardim Peró, nós temos uma obra de R$70 milhões, do qual o Estado já pagou R$15 milhões e estamos fazendo todo esforço para que uma nova parcela seja paga, para que não no ritmo desejado, mas que ela tenha prosseguimento, a mesma coisa em São Pedro da Aldeia, nos bairros do Vinhateiro, Bairro da Estação, Bairro Bela Vista, e a obra da orla do centro, obras já empenhadas, com duas parcelas pagas. O estado está providenciando o pagamento da terceira parcela para que essas obras continuem e esse benefício chegue à população. Nós estamos no período de travessia, estamos com o processo da Delegacia Legal de Tamoios já na fase final de licitação, esse recurso é oriundo de um empréstimo junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento e já está locado na conta. Hoje o Estado trabalha em parceria com a prefeitura de Araruama, para construção do DPO, que já foi criado no papel e agora precisa fisicamente nascer. No “O Globo” de hoje, a Secretária de Segurança Pública já apresenta o projeto desse novo modelo de batalhão, dentro da nova concepção de policia, e a gente espera que o de Araruama seja um dos primeiros do Estado a ser construído nessa nova concepção, numa do Estado com a Prefeitura de Araruama. Então, no ponto de vista do Estado, são essas ações que estão em desenvolvimento. Porque o Estado precisa fazer esse ajuste nessas finanças, mas tudo que for de planejamento está na recuperação de processo econômico e licitado vai acontecer.


JS: Deputado Janio Mendes, o fato de ser líder do governo ajuda muito?


Janio Mendes: Eu sou vice-líder do governo, e, sim, ajuda bastante, o governador tem uma confiança muito grande no processo que a gente exerce na liderança. Até aqui, todas as matérias que o governo encaminhou para a Assembleia nesse pacote de recuperação econômica, a gente conseguiu aprovar. Há uma compreensão muito grande dos deputados no momento que estamos vivendo, então isso ajuda bastante, e ajuda também no nosso fortalecimento político, junto ao Governo, junto às instituições. Eu gosto de ser deputado, eu gosto fazer política, eu amo o que faço, e quando a gente ama o que faz e se dedica intensamente, as coisas dão certo.


JS: O senhor disse que gosta de ser deputado, tem gente que acha nasceu para ser Legislador, é verdade?


Janio Mendes: Eu gosto de ser deputado. Eu gosto de ser vereador. E amo ser prefeito, prefeito da minha cidade, Cabo Frio que um dia serei e serei o melhor prefeito dessa cidade, porque farei com amor, porque falta muito é amor a cidade, amor a causa, não importa se você seja deputado, vereador, prefeito ou governador, se você não amar o que faz, não fará bem feito. Então, me dedicando e amando o que faço, eu tenho certeza que farei bem feito.


JS: Já que o senhor falou em recuperação econômica, hoje o país passa por um momento difícil, tanto político quanto econômico, e trazendo as coisas para o município Cabofriense, a gente tem visto, lido e ouvido sobre a situação que a cidade atravessa. Contudo,  é sabido que o senhor entrou numa grande polêmica sobre a questão do empréstimo para cobrir o que vem faltando dos royalties e tem gente falando que o senhor atuou de uma maneira diferente na Assembleia Legislativa. O que o senhor pode falar sobre essa algazarra forma aí hoje?


Janio Mendes: Muito bom falar sobre esse assunto do amar a cidade, amar aquilo que faz, amar o mandato que exerce. Porque eu há 20 anos, quando começou essa história dos royalties de petróleo, eu comecei a caminhar pelas ruas da cidade fazendo uma exposição de que o petróleo era um bem finito e que era preciso amor pela cidade, pensando no futuro e fazendo investimentos necessários, infelizmente faltou amor a cidade ao longo desse período, as pessoas amaram seus projetos pessoais e esqueceram os projetos da cidade. A cidade ficou sem um projeto e hoje a gente passa por um momento extremamente crítico, a crise está para todos, a crise está para o país, para o Governo do Estado, está para todos os municípios, e a gente olha ao nosso redor e vê que o município de Cabo Frio está sentindo mais a crise que os outros municípios. Todo mundo está em crise, a arrecadação de todos diminuiu, mas as pessoas estão inaugurando obras, realizando serviços e pagando fornecedores em dia, tem atrasos suportáveis. Cabo Frio é um município que não entrega uma obra, a cidade está abandonada, todas as praças públicas, exceto duas, a do Caiçara e a da Boca do Mato, todas as outras estão quebradas, abandonadas, destruídas, e não é uma destruição desses últimos seis meses, na época da crise, é uma destruição de dois anos, quando tivemos a maior receita da cidade. Cabo Frio, em 2013, arrecadou R$800 milhões, em 2014 R$900 milhões e ainda pegou R$110 milhões emprestado no Banco do Brasil. São R$2 bilhões em dois anos e na cidade parece que passou por um terremoto, está toda destruída, prédios públicos, restaurante popular, Ginásio Poliesportivo no Jardim Esperança, a obra do asilo, o Centro de Reabilitação, as obras públicas estão abandonadas, e isso não é a crise, é a falta de amor com a cidade,  a falta de compromisso. Você numa medida dessas,  tem várias ações para tomar, primeiro, você faz receita reduzindo despesa, tem que reduzir o custo da máquina pública e não se reduziu. Hoje os jornais estão anunciando que foi criada uma comissão para reduzir em 40% o custo da máquina pública,, querem botar cadeado depois da porta arrombada, isso era pra ter sido feito lá atrás porque a crise foi anunciada. O segundo ponto é você fazer receita, fazer receita é ser responsável na apuração da receita pública, fiscalizando, cobrar de quem deve, esse é o procedimento, levantar aquilo que você tem de ativo para vender na praça, por exemplo, a divida ativa. O município tem a dívida ativa, pode vender, eu sou favorável, agora infelizmente Cabo Frio não consegue vender porque não tem a divida ativa organizada, não fez o dever de casa fruto da falta de amor e da falta de competência, não escreveu devidamente, não listou devidamente com nome, endereço, CPF dos devedores, quem vai comprar tem que ter um cadastro seguro, uma dívida escrita e ajuizada para poder valer aquele titulo de cobrança do mercado se não esse titulo não vale nada, segundo ponto, buscar créditos. “Porque Janio é contra o empréstimo de Cabo Frio?”. Primeiro: Cabo Frio já pegou esse empréstimo, Cabo Frio vendeu para o Banco do Brasil em 2013 e em 2014, toda receita de participação especial de royalties até dezembro de 2016, e tenho isso documentado em mãos, o contrato da dívida, contrato da Prefeitura com o Branco do Brasil, e a ação do Banco cobrando na justiça o pagamento, e o dinheiro entrou na conta da prefeitura, então a pergunta que se faz hoje é: “Vender a mesma coisa para 2 pessoas é o que?”. Estelionato, não tem como. Segundo ponto: querem vender para um Banco americano, que esteve envolvido na crise da Grécia e na crise de 2009 da Bolsa de Nova Iorque, um banco que está acostumado a comprar papel podre, e depois executa, a juros exorbitantes. A crise passa, e temos que conviver com a crise, você na sua casa, na sua família, quando vem uma crise, vem o desemprego, você corta a despesa, corta o supérfluo, ajusta as contas, conversa com o filho e daqui a pouco a vida segue, ela volta ao normal, a mesma coisa a finança pública. Você não vai vender sua casa, porque depois não tem onde morar. Eu sou contra esse procedimento, já me manifestei publicamente, eu tenho esse amor pela cidade, que me impulsiona a agir, a dizer que esse empréstimo é ruim para a cidade, e não falo sozinho, mais de 80% da população tem essa consciência, já fui a duas reuniões com a presença do prefeito Alair, defendendo que o Estado, que a União repasse para o município. Ontem (quinta-feira) fui na diretoria financeira da Petrobras, quero cobrar uma dívida, porque não justifica essa queda da participação especial, o dólar subiu, a produção subiu, porque a participação especial caiu? Caiu sabe por quê? Caiu porque a participação especial é resultado de uma conta onde a Petrobras joga sua despesa para depois dividir, ela ta jogando para conta de participação especial, despesas que não são próprias para da produção. É isso que os prefeitos tem que organizar, colocar uma equipe boa na prefeitura para apurar, porque o prefeito só sabe o que entrar na conta, não sabe a origem, como é apurada a participação especial, como é apurada os royalties de petróleo, então, simplesmente a Petrobras ta com uma dificuldade de caixa e manipulou suas contas, e eu disse isso ontem para o Diretor Financeiro da Petrobras, e nos estamos fazendo esse requerimento numa CPI na Assembleia Legislativa, porque tem que pagar, na nossa conta, vai dar uma divida em torno de R$ 500 milhões para os municípios daquilo que a Petrobras deixou de repassar em participações especiais, inflando a sua contabilidade, maquiando suas contas, e eu luto por isso, luto em defesa do município, eu quero é mais dinheiro na cidade, eu quero a cidade bem, eu nunca mudei de bairro, moro na Gamboa a vida inteira, eu fico em Niterói terça, quarta e quinta, sou o primeiro a entrar e ultimo a sair todo dia, quem assiste a TV Alerj me vê todo dia, o povo me elegeu para estar lá, e quando me eleger prefeito ser o primeiro a entrar e ultimo a sair na prefeitura.


JS: Deputado, o senhor foi candidato com o apoio do ex-prefeito Marquinho Mendes, agora diz que é pré-candidato a prefeito em Cabo Frio. Além disso, disse que o compromisso se encerrou, ou seja, carreira solo mesmo?


Janio Mendes: Eu tenho profundo respeito, carinho e amizade com ex-prefeito Marquinho Mendes. Tive seu apoio na minha campanha de prefeito, numa construção política, feito pela macro-política do Estado, junto com o ex-governador Cabral, com Picciani, Paulo Melo e na última hora recebi o apoio de Marquinho. Logo depois vieram as eleições para Assembleia Legislativa e para Câmara Federal e eu apoio incondicionalmente o Marquinho a deputado federal, e nós teremos ano que vem uma eleição municipal. Como cada eleição é uma história, eu estou escrevendo a história da eleição de 2016, com o projeto de vida, que é um sonho e com o projeto partidário, meu partido tem o direito de colocar a nossa pré-candidatura para discutir um projeto de cidade.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano