Justiça aponta fraude em licitação de quentinhas e afasta prefeita de Iguaba Grande

Segundo o Ministério Público, a prefeita e outros agentes públicos cometeram o crime de improbidade administrativa

Por em 05/12/2017 11h59
Uma decisão judicial determinou o afastamento da prefeita Grasiella Magalhães, de Iguaba Grande,  por fraude em licitação de quentinhas. O pedido veio do Ministério Público, que afirma que a prefeita e outros agentes públicos cometeram o crime de improbidade administrativa.

Uma CPI da Câmara dos Vereadores, chamada de CPI das Quentinhas, apurou que a concorrência no processo de licitação foi simulada, pois as duas empresas que participaram são da mesma família. A licitação previa também que as quentinhas fossem servidas em embalagens individuais, mas, segundo o MP, o alimento era servido em panelas.
O processo previa também que o café da manhã fosse servido, mas as empresas só ofereciam os ingredientes e os funcionários faziam a comida. Além disso, uma das empresas não possuía alvará de funcionamento e laudo de vistoria da Vigilância Sanitária, segundo as investigações.

De acordo com o MP, o total gasto nas licitações é de R$ 1,7 milhões. A Prefeitura de Iguaba Grande afirmou que não recebeu qualquer notificação judicial.


Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Infarto - Editorial JS