Prefeito de Cabo Frio, Marquinho Mendes, desafia vereador a comprovar as denúncias de super salários

Vereador Rafael Peçanha aceita o desafio e afirma que explicará ao prefeito o que está acontecendo na própria prefeitura. "É só marcar o dia", disse

Por Redação JS em 10/11/2017 12h24

O prefeito de Cabo Frio, Marquinho Mendes, concedeu entrevista na manhã desta sexta-feira, dia 10, a “Rádio Litoral FM”, com transmissão ao vivo para o “Jornal de Sábado” e “Jornal O SOL”.

Marquinho começou a entrevista falando sobre os 402 anos de Cabo Frio, que serão celebrados na próxima segunda-feira, dia 13 de novembro. 

“Cabo Frio nos leva a fazer o que eu fiz. Deixar um mandato de deputado federal, que era muito tranqüilo, e enfrentar o maior desafio da minha vida que é administrar essa cidade com o caos que eu peguei em janeiro. Isso só pessoas que tem amor pela terra fazem. Eu tenho 58 anos idade e todos eles na cidade. Eu nasci em Cabo Frio e amo essa cidade, por essas razões que eu estou novamente prefeito desta cidade, para reconstruí-la. Então, são 402 anos de belas histórias de Cabo Frio”, inicia o prefeito.


Confira a entrevista completa:


JS – O Supremo Tribunal Federal autorizou o aumento da pena para políticos condenados antes da Lei da Ficha Limpa de três para oito anos, essa sentença atinge o senhor. Cabo Frio vai ter nova eleição? Ou segundo colocado pode assumir?

MM – Vou deixar clara a minha posição. Eu digo que quando a decisão é de 6 X 5 votos, é polêmica, então, na minha opinião, foi uma decisão errônea e absurda. Vou explicar de forma muito clara: eu fui penalizado por três anos, cumpri a penalidade, ai oito anos depois vem alguém e fala que não quer que você cumpra só os três anos, quer que cumpra dez anos. Mudando a sua sentença já cumprida. Portanto, estamos confiantes na Modulação. Existe hoje um Projeto de Lei para que possa corrigir esse absurdo jurídico. Então, não creio em novas eleições. São 40 políticos que deixariam seus cargos. E se passar para oito anos, por três dias que eu não conseguiria me salvar. Se houver nova eleição, eu posso ser candidato, um absurdo total. Vamos continuar prefeito e nós já estamos mudando essa cidade, que pegamos falida e vamos reconstruir. Se não fosse a dívida deixada por Alair Corrêa, eu hoje estaria administrando sem nenhum problema.


JS – A Comsercaf tem sido privilegiada com repasses milionários. A empresa não estava em fase de extinção?
 
MM – Os recursos nem estão sendo repassados para as empresas que cuidam da limpeza da cidade. Os pagamentos estão atrasados, pois os recursos estão indo para a Folha de Pagamento. Então, hoje, a Comsercaf é administrada com dificuldade. Eles têm um orçamento grande, pois toda a parte de limpeza, varrição, se encontra lá. E uma cidade como a nossa, tem um custo muito alto, mas não tem nada de errado, é previsto por lei. E não teve extinção, se falava muito isso no governo passado. Nós não temos nada a esconder, os recursos estão sendo destinados aos serviços essenciais: Limpeza, Saúde, Educação e Folha de Pagamento. 


JS – O vereador Rafael Peçanha levantou uma questão de teria uma servidora recebendo salários que ultrapassam R$100 mil. Não é à hora de caçar esses servidores? Muitos recebem sem trabalhar?

MM – Eu fiz um recadastramento. Já fizemos 27 investigações de conta do governo de Alair Corrêa. 26 foram concluídas e enviadas ao Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado. Então, foi no recadastramento que eu, não foi o vereador, detectei algumas irregularidades e foi aberto um processo administrativo. Estamos em fase de apuração, então entendo que todo servidor com suspeita de irregularidades, tem que ter sua defesa preservada. Eu não exonerei, afastei todos eles, para que terminaremos o processo. Se forem constatas irregularidades, serão exonerados. Eu detectei, mas não posso fazer informações levianas, como a do  vereador. Mas quero deixar claro que não foi vereador, que nos levou a fazer. Eu fiz. Abri todo esse processo do governo passado.  Esse estudo está aberto, o de possíveis irregularidades. Eu quero fazer um grande desafio ao vereador Rafael Peçanha. Eu quero que você leve até a Rádio Litoral, o crédito bancário, comprovado esses super salários de funcionários da prefeitura de R$60 mil, R$70 mil. E se você fizer isso, eu volto ao programa e faço um elogio a sua atuação. Mas se não fizer, vou ser obrigado a falar que sua atitude foi leviana, irresponsável e política. Quero deixar claro que o processo de fiscalizar deve existir, é necessário. Mas quero comprovação desses super salários. Ele vai ter que provar ou vai ficar desmoralizado. Ele vai ter que mostrar quem é esse funcionário.


JS – O vereador tem reclamado que tem buscado na prefeitura elementos e não tem conseguido. Ele vai conseguir?

MM -  A Câmara Municipal consegue qualquer informação com requerimento. É só pedir que a prefeitura vai informar. O momento não é de querer aparecer. 


JS – Há reclamações de que o Portal da Transparência está com irregularidades. De que tem contratos emergenciais em que não aparecem. É verdade?

MM – Eu quero saber quais são esses contratos. Nós estivemos um problema com o portal, mas já foi solucionado. Quem não deve, não teme. Existe uma transparência total. Nós não vamos aceitar que as pessoas utilizem desse momento para fazer política eleitoral e partidária. 


JS – E o décimo terceiro dos servidores?

MM – Eu estou trabalhando desde o início na redução dos custos para que eu possa pagar a folha. Porém, hoje, eu não tenho dinheiro, mas estou trabalhando muito para isso. Estou  dedicando todos os meus esforços para que eu possa conseguir licitar e vender a Folha de Pagamento de Cabo Frio. 


JS – Na campanha o senhor disse que ia voltar com o Café do Trabalhador.

MM – A grande novidade é que no dia 1 de dezembro, eu estarei voltando com o Café do Trabalhador para a população de Cabo Frio.


JS – Como o senhor vai fazer com as questões dessas greves dos professores?

MM – Nós estamos com salários em dia. Então, não justifica. O sindicato é político. Não justifica um dia de atraso, decretar greve. Não sou eu o prejudicado, são os alunos. Eu já estou judicialmente tomando medidas para acabar com essa situação. Mexeu com o aluno, ai mexeu comigo. O sindicato politicamente pode me malhar, mas não aceito que atrapalhe o aluno. É uma manifestação política. 



RAFAEL PEÇANHA

No final desta manhã, após a entrevista, o Jornal de Sábado entrou em contato com o vereador Rafael Peçanha para saber se ele aceita o desafio do prefeito em comprovar esses super salários. “Desafio aceito. Vou explicar ao prefeito o que está acontecendo na Prefeitura de Cabo Frio. É só marcar o dia”, finaliza. 


Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Feminicídio - Editorial JS