Prefeitura de Iguaba Grande inicia Campanha de Combate a Hanseníase

A Prefeitura de Iguaba Grande, através da Secretaria Municipal de Saúde, promove a campanha de Combate a Hanseníase que faz referência ao dia 5 de agosto, Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate a Hanseníase.

Por em 10/08/2015 12h23

A Prefeitura de Iguaba Grande, através da Secretaria Municipal de Saúde, promove a campanha de Combate a Hanseníase que faz referência ao dia 5 de agosto, Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate a Hanseníase. Durante todo o mês os agentes comunitários de saúde realizarão trabalho de captação de pacientes, palestras e tratamento.


Nesta sexta, dia 07, os médicos das unidades, dentistas e agentes comunitários de saúde irão até a Escola Municipal Alice Canellas da Silveira, localizada na Rua Engenheiro Neves da Rocha, em  Cidade Nova, para realizar atividades de conscientização e exames de diagnósticos da doença. As atividades serão feitas em parceria com a coordenação da ESF, Saúde Bucal e PSE/Educação Popular em Saúde e acontecerão durante todo o dia das 9h às 16h.


O tratamento

Semana é marcada com atividades em todas as Unidades Básicas de Saúde do município

O tratamento que pode durar de seis meses a doze meses é disponibilizado gratuitamente em toda a rede de atenção básica e prevê também a garantia dos medicamentos.  A hanseníase, conhecida oficialmente por este nome desde 1976, é uma das doenças mais antigas da história da medicina. É causada pelo bacilo de Hansen, o mycobacterium leprae, um parasita que ataca a pele e nervos periféricos, mas pode afetar outros órgãos como o fígado, os testículos e os olhos. Não é, portanto, hereditária.


Com o avanço da doença, o número de manchas ou o tamanho das já existentes aumenta e os nervos ficam comprometidos, podendo causar deformações em regiões, como face, mãos e pés, e impedir determinados movimentos, como abrir e fechar as mãos. Além disso, pode permitir que determinados acidentes ocorram em razão da falta de sensibilidade nessas áreas. O diagnóstico consiste, principalmente, na avaliação clínica: aplicação de testes de sensibilidade, força motora e palpação dos nervos dos braços, pernas e olhos. Exames laboratoriais mais específicos, baciloscopia e biópsia das lesões da pele para histopatológico, podem ser necessários.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano