Protesto marca um ano do desaparecimento da menina Polyanna

Familiares e amigos se mobilizaram no começo da tarde deste sábado na Avenida Jornalista Alberto Francisco Torres

Por Redação JS em 02/04/2016 20h15

Neste sábado (02), completou-se um ano do desaparecimento da pequena Polyanna Katelin da Silva Ribeiro, de 10 anos, que sumiu após ir comprar fósforos em uma quitanda próxima de sua casa, na Rua Chico Xavier, em Piratininga, na Região Oceânica de Niterói.


Por conta da data, cerca de 15 familiares e amigos da criança realizaram uma manifestação, na Avenida Jornalista Alberto Francisco Torres, em Icaraí, com o intuito de cobrar respostas sobre as investigações. “Um ano sem respostas, um desespero total. Cada dia que passa, a dor de não ter a minha filha por perto só aumenta. A gente só quer uma resposta, uma solução. Queremos que os policiais façam seu trabalho como se estivessem procurando por seus filhos”, disse Marcele Silvério, mãe da pequena Polyanna. 


O caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG), que trabalha com a hipótese de fuga da menina. A linha de investigação surgiu após um caderno de Polyanna, que continha frases sobre a insatisfação com a família, ser encontrado.  


No entanto, a mãe da criança nega a possibilidade, e diz que está investigando o sumiço da filha por conta própria. “Estou investigando o desaparecimento da minha filha por conta própria. Não quero que isso caia no esquecimento. Já disse à polícia sobre a existência de dois suspeitos, um vizinho e um parente, com quem tivemos conflitos. A minha filha não fugiu de casa. Que criança que não diz besteiras quando leva uma bronca?”, esclareceu. 


Segundo Marcele, o comandante do 12º BPM (Niterói), coronel Fernando Salema, marcou uma reunião com familiares na DH, na próxima segunda-feira (4) à tarde, para acompanhar as investigações.  Duas viaturas da polícia militar acompanharam os manifestantes. Por conta do desvio em uma das faixas da pista no sentido São Francisco, o trânsito no local ficou complicado. Agentes da Niterói Trânsito e Transportes (NitTrans) orientaram os motoristas e coordenaram o trânsito no local. 


Quem tiver informações sobre o paradeiro da jovem pode entrar em contato com a Divisão de Homicídios de Niterói e procurar o setor de Descoberta de Paradeiro pelo telefone 2717-4068 ou através do Serviço Disque Denúncia, através do telefone 2253-1177. O anonimato é garantido.  




Foto: Douglas Macedo

Matéria: O Fluminense

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Violência desenfreada