Sala de Leitura do projeto Farol Literário promove bate papo entre escritores cabistas

Alunos puderam trocar experiências com Adari Lacerda, Lorena Brites e Leandro Miranda

Por em 11/08/2017 11h18
Uma noite literária voltada para os alunos e convidados do Colégio Francisco Porto de Aguiar, onde o objetivo é a interação entre a comunidade e os sabedores da leitura. Assim funciona o projeto educacional em Arraial do Cabo, que reuniu na noite desta quinta-feira (10), os escritores Adari Lacerda, Lorena Brites e Leandro Miranda.

Na abertura do Farol Literário, os participantes puderam saber um pouco mais sobre a curiosa história do dirigível que caiu em Arraial do Cabo, através de uma palestra ministrada por Leandro Miranda, autor do livro "K'36, O Zeppelin Que Caiu no Cabo". De acordo com o autor cabista, sua intenção é fazer com que essa história não se perca como muitas outras já se perderam em Arraial. “O livro fala sobre o acidente do Zeppelin americano, em 17 de janeiro de 1944, em um morro da Ilha do Farol. A história cabista está se perdendo, por isso achei importante documentar esse acontecimento. A princípio era só uma pesquisa, porém o material é tão rico, que decidimos passar isso para as pessoas. Foi como montar uma quebra-cabeças, e no final saiu esta linda obra sobre nossa cidade” – contou Leandro.

O segundo momento foi de bate papo entre os autores, alunos e a comunidade, onde o eterno professor de história Adari Lacerda, falou sobre sua inspiração ao escrever. “Minha inspiração é a vida. Acredito que lá na frente alguém vai pegar essas obras e descobrir aquilo que ainda não sabe, sobre fatos que ainda não lhe foram contados. Escrevi sobre nosso Arraial e também sobre a Bíblia, em seu contexto histórico e desejo escrever mais” – falou Adari.

A jovem autora Lorena Brites, que escreveu o livro “Acervo de Palavras”, aprovou a iniciativa e acredita que o projeto deve se estender a outras escolas para que mais alunos também tenham um melhor acesso a cultura. “Adorei a iniciativa, acho que esse tipo de projeto aproxima as pessoas do conhecimento e, sobretudo, do prazer pela leitura. Torço para que seja ampliado e chegue até outras pessoas, que não fique restrito somente às salas de aula e locais fechados para poucas pessoas, mas sim, alcance toda a população que ainda não tem acesso direto à cultura. Para mim foi uma grande honra ser convidada para apresentar meu trabalho, o Acervo de Palavras, principalmente por ter sido aluna do Francisco Porto, e hoje retornar como inspiração para muitos estudantes que estão passando por esse processo de descoberta, experimentação de suas emoções, de seus talentos, e o Francisco Porto é um Colégio que realmente se preocupa em despertar o melhor de seus alunos. Sinto orgulho em ter feito parte do Colégio e hoje contribuir com a minha experiência” – afirmou a autora.

Julia Gomes, de 16 anos, foi uma das alunas que prestigiaram a Sala de Leitura. “Quanto mais você lê, mais você fala, pensa, se posiciona. Achei muito interessante tudo o que compartilhamos aqui, por que falamos sobre Arraial, sobre o resgate da cultura cabista e pude conversar com a Lorena, escritora que gosto tanto” – disse a aluna.

 Segundo Fátima Fiuza, uma das incentivadoras do projeto, o Farol Literário promove atividades culturais, oficinas e ações educacionais voltadas para a comunidade. “O projeto é pioneiro na cidade e nós acreditamos que esse é o caminho para aproximar a todos da leitura e ao mesmo tempo resgatar a cultura local, tanto que nesta edição decidimos abrir o espaço para convidados” – finalizou Fátima.   

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Outubro Rosa