Secretaria de Saúde disponibiliza teste rápido para detectar Infecção Sexualmente Transmissível

Existe hoje no Brasil cerca de 630 mil pessoas vivendo com HIV

Por Ascom Araruama em 29/01/2016 08h01

Falar sobre sexualidade ainda é considerado um tabu, causando desconforto em muitas pessoas, principalmente aquelas que tenham tido algum comportamento de risco como ter relações sem preservativo ou ter utilizado drogas injetáveis e mesmo assim insistem em fugir do assunto.


Com a chegada do carnaval o cuidado com a prevenção deve ser redobrado  principalmente com  os jovens  de 15 a 24 anos entre os quais houve aumento de 53% números de infecções. Segundo pesquisas realizadas pelo Departamento Nacional de DST/AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, existem hoje no Brasil cerca de 630 mil  pessoas vivendo com HIV, ou vírus da AIDS, e que , dentre estas, cerca de 255 mil nunca teriam feito um teste de diagnóstico .


O tema ainda é visto por boa parte da sociedade com preconceito, por isso muitas pessoas devido ao constrangimento, evitam procurar o teste que é realizado gratuitamente pelo SUS em postos de saúde e que, graças aos  avanços da ciência, dura apenas 10 minutos podendo salvar  vidas quando feito precocemente.


Em Araruama, os testes rápidos para detectar o vírus do HIV o teste detecta o anticorpo do vírus do HIV ou AIDS além das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) são realizados no posto  SAE ( Serviço de Atendimento Especializado )na  Saúde Coletiva,  localizado ao lado do PAM e  também nos Postos de Saúde da Família (PSF). Os profissionais que atuam no polo são capacitados para realizar de maneira eficaz e sigilosa os testes, e nos casos em que o resultado for positivo o paciente receberá o acolhimento imediato.


A coordenadora do Programa de DST/AIDS e Hepatites Virais do município de Araruama, Janete Rangel, destaca a importância de o teste ser feito o quanto mais rápido possível.


“Nosso trabalho primeiramente é reforçar a importância do uso do preservativo. Depois fazemos com  que o indivíduo faça uma breve reflexão sobre  sua vida sexual e, se por acaso passou por uma situação de risco, procurar realizar o diagnóstico o mais rápido possível. Eu costumo dizer aos pacientes que pior do que ter o vírus é ter e não saber ou passar por muitos anos na  dúvida e não poder se tratar. Hoje temos o teste rápido que em apenas 10 minutos pode salvar muitas vidas”, disse.

Tópicos: saúde , HIV , IST

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Violência desenfreada