Senado aprova uso da ‘pílula do câncer’

Senado aprovou na noite desta terça-feira

Por Extra em 23/03/2016 15h32

O Senado aprovou, na noite desta terça-feira, projeto de lei que permite a produção e distribuição da chamada “pílula do câncer”, composta pela substância fosfoetanolamina sintética. Ela vinha sendo estudada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), mas ainda não foi regulamentada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A proposta permite a venda do produto, até que se concluam as pesquisas sobre seu uso. Apesar de polêmica, o projeto foi aprovado rapidamente pelos senadores e agora vai à sanção da presidente Dilma Rousseff.


O texto aprovado permite que a fosfoetanolamina seja usada — desde que sob orientação médica e com consentimento do paciente — mesmo antes da conclusão dos estudos que servirão para a Anvisa analisar o pedido de registro definitivo da substância como medicamento.


— Ninguém aqui tem o direito de não deixar as pessoas tentarem se salvar. Não temos esse direito. Se existe uma pílula que está em experimento e hoje as pessoas não podem utilizar, estão com câncer, muitas vezes com câncer terminal, ninguém tem o direito de proibir uma pessoa de tentar se salvar. Sobre essa pílula do câncer, há um debate nacional. Enquanto os experimentos estão sendo feitos, nós não temos o direito de negar àqueles pacientes que estão com câncer terminal a utilização dessa pílula do câncer — disse o senador Omar Aziz (PSD-AM).


A proposta foi aprovada sem discussão, em apenas três minutos. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), colocou a proposta em debate e não houve nem discussão. Pouco antes, na mesma sessão, os senadores já haviam aprovado a urgência para que a proposta fosse votada em definitivo ainda nesta terça-feira, o que ocorreu.




Matéria: Extra

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes O espírito da 10 de Zico
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Violência desenfreada