Senado decide pelo afastamento de Dilma Rousseff

Senadores aprovaram instauração de processo por 55 votos a 22. Presidente fica afastada por até 180 dias enquanto é julgada no Senado.

Por Redação JS* em 12/05/2016 07h04

O Senado Federal decidiu, nesta quinta-feira, pelo afastamento de Dilma Rousseff do cargo de presidente da República. Dos 78 senadores presentes na votação, 55 votaram pela admissibilidade da abertura do processo de impeachment e 22 votaram contra. O presidente do Senado, Renan Calheiros, não votou. Ainda hoje, Dilma será notificada e terá que abandonar as funções.


A partir de agora, quem assume a presidência do país é Michel Temer, que deve ficar no cargo, a princípio, por 180 dias, prazo máximo para o Senado processar e julgar a presidente. Se ao fim do processo o impeachment for aprovado, então, ele poderá assumir o cargo definitivamente.


O peemedebista assume o governo pregando uma pauta diferente da do PT, buscando reformas trabalhista e previdenciária, incentivando a participação do setor privado e, principalmente, estimulando a redução do Estado, como o corte de ministérios.


Dilma Rousseff foi primeira mulher eleita presidente do Brasil e seu possível afastamento do governo representa a saída do PT do poder após mais de 13 anos. Desde a redemocratização, essa é a segunda vez que o Senado Federal tomou a decisão de afastar um presidente da República de seu cargo. A primeira foi há 24 anos, com Fernando Collor de Mello, que foi substituído por Itamar Franco.

Colunistas

Suely Pedrosa - Social Tudo sobre a Região dos Lagos
Ricardo Sanchez - Esportes Dupla vascaína
Ademilton Ferreira - Política Os bastidores da política
Vilma Matos - Editorial Alvo humano