Cabo Frio: a capital do sandboard no Rio de Janeiro

Esporte de aventura une preservação ambiental e adrenalina

Cabo Frio é voltada para a prática de muitas modalidades esportivas. E uma delas, o sandboard, ou “surf na areia”, se destaca justamente por usar um dos principais cartões postais da cidade, as dunas, um dos maiores patrimônios naturais da cidade. Classificado como esporte de aventura e natureza, ele vem ganhando adeptos na cidade e conquistando turistas e moradores.

E, com tantas áreas de dunas, Cabo Frio é considerada, hoje, a capital do sandboard no estado do Rio de Janeiro. Mas duas são consideradas perfeitas pelos praticantes do esporte, e se destacam na cidade: as Dunas do Peró, e a do Parque Estadual da Costa do Sol, na estrada para Arraial do Cabo, no bairro Dunas.

“No Rio de Janeiro são poucos os lugares onde é possível se praticar o sandboard. As melhores dunas do estado estão em Cabo Frio. Temos todas as condições naturais para a prática do esporte, e buscamos o desenvolvimento dele tanto para os moradores quanto aos nossos milhares de turistas que nos visitam”, disse o professor de educação física e instrutor de sandboard em Cabo Frio, Rafael Marendino.

O Parque das Dunas, onde se encontra a Duna Dama Branca, mais conhecida como Duna Mãe, apresenta uma altura de 35 metros. Além da beleza geográfica e paisagística, é a maior duna isolada do sudeste brasileiro. É considerada uma duna móvel, de areias brancas e finas de origem marinha, com seu formato sendo moldado pelos ventos. Ela fica no Parque Estadual da Costa do Sol, um patrimônio natural e com área de preservação permanente, representando um dos principais pontos turísticos da região.

Já as dunas do Peró ficam entre a Praia do Peró e Praia das Conchas, com morros de areias em variadas formações que variam de seis a 20 metros de altura, com boas inclinações, sendo consideradas perfeitas para o desenvolvimento do esporte.

Segundo Marendino, para praticar o esporte a idade mínima indicada é de cinco anos. Também é preciso ter uma prancha específica para o esporte, e cera de carnaúba (ou vela) para aplicar no fundo da prancha, facilitando o deslizamento nas areias, que precisam estar secas.

“Qualquer pessoa com idade a partir de cinco anos pode praticar o sandboard, desde que não esteja com problemas físicos. Todos podem praticar, seja com sol, com tempo nublado, ventando. A única coisa que inviabiliza a prática é a chuva porque a prancha não desliza na areia úmida”, comentou Marendino.

Mas, para iniciar no esporte de aventura é preciso de auxílio de um profissional. Além de atleta, Rafael Marendino é um dos poucos instrutores especializados em sandboard em Cabo Frio, com 20 anos de experiência, representando Cabo Frio em várias competições. Em 2006, o cabo-friense disputou o Pan-Americano, no Ceará, e conquistou a medalha de prata na categoria Iniciante. Disputou ainda o Sul-Americano, no Peru, e o Mundial, na Alemanha.

Um dos maiores feitos de Rafael está a expedição no deserto de Nazca, no Peru, na duna Cerro Blanco, localizada a mais de dois mil metros acima do nível do mar, e com 1.800 metros de descida. O atleta desceu surfando as areais da maior duna do mundo.

Preservar o meio ambiente e as dunas onde existe a prática do esporte é uma das preocupações de Rafael Marendino. Segundo ele, os praticantes do sandboard são totalmente voltados para a preservação ambiental e consciência ecológica. Existem cuidados nas dunas para não prejudicar a vegetação local.

“O sandboard não destrói a vegetação, porque existem pontos procurados para realizar as descidas. Nas dunas móveis existe o flanco dorsal (parte de trás) e flanco frontal (parte da frente chamada no esporte como face deslizante). Nestes trechos o praticante busca a parte totalmente lisa e sem obstáculos para que a prancha se desenvolva 100%. Os atletas são totalmente conscientes da necessidade de preservação da natureza. São conceitos que praticamos e repassamos aos nossos alunos”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here