Morre criança de quatro anos vítima de explosão de lancha em Cabo Frio

0
826

Morreu na tarde desta sexta-feira (21) a criança vítima de um acidente após a explosão de uma lancha na Ilha do Japonês, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Davi Freire Zerbone, de quatro anos, estava internado desde segunda-feira (17) no Hospital Estadual Roberto Chabo, em Araruama. 

O estado de saúde de Davi era grave. Segundo a assessoria do hospital, ele estava internado no isolamento do CTI pediátrico e recebendo todo o suporte necessário da equipe médica e de enfermagem. Porém, na tarde de hoje, teve complicações, sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. 

O menino teve 100% do rosto queimado e chegou a ser entubado. As informações foram confirmadas pelo hospital e pela família, que é de Cariacica, na Grande Vitória, Espírito Santo. 

Aleksandro Leão Vieira, de 36 anos, amigo da família, continua internado no hospital de Araruama. Segundo o último boletim médico divulgado, seu estado de saúde é estável. 

O acidente ocorreu na tarde de segunda-feira (17) na Ilha do Japonês, em Cabo Frio. Havia 11 pessoas na embarcação – o piloto e 10 passageiros – e, de acordo com um dos passageiros, a explosão ocorreu minutos após a lancha parar para abastecer.

Questionada sobre o acidente, a Marinha do Brasil informou que a Delegacia da Capitania dos Portos em Cabo Frio (DelCFrio) instaurou inquéritos administrativos, cujo prazo de conclusão é de 90 dias, com o propósito de apurar causas, circunstâncias e possíveis responsabilidades do acidente. 

Nota da Marinha

A Marinha do Brasil (MB), por intermédio do Comando do 1º Distrito Naval (Com1°DN), informa que a Delegacia da Capitania dos Portos em Cabo Frio (DelCFrio) instaurou Inquéritos Administrativos sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN), cujo prazo de conclusão é de 90 dias, com o propósito de apurar causas, circunstâncias e possíveis responsabilidades, sobre os últimos acidentes com as embarcações “A MAR I”, “BRADOCK” e “EYE SEA”, ocorridos em Cabo Frio – RJ. Os IAFN encontram-se em sua fase de instrução, a qual abrange todos os esforços para a elucidação destes acidentes.

Pontua-se que Ações de Fiscalização do Tráfego Aquaviário (AFTA) são realizadas nas Marinas e Iates Clubes, procedendo uma verificação documental e de equipamentos previstos nas Normas da Autoridade Marítima. Não obstante, as AFTA também são conduzidas no mar, efetuando-se inspeção na documentação do condutor, da embarcação e nos itens de segurança obrigatórios. Em 2024, foram realizadas mais de 5.840 inspeções, 314 notificações, além de 22 apreensões.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here