Casa da Flor, em São Pedro da Aldeia, ganhará ações de revitalização

A Secretaria Municipal Adjunta de Cultura de São Pedro da Aldeia está atuando no planejamento para a revitalização da Casa da Flor, importante obra de destaque nacional da arquitetura espontânea. O projeto de restauração emergencial contempla a conservação preventiva do patrimônio histórico municipal, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).  

A restauração será realizada por uma empresa especializada. Servidores da Secretaria de Cultura irão acompanhar o trabalho, com intuito de manter a conservação do Patrimônio Histórico. O projeto já possui processo em tramitação e está em fase final de assinatura de contrato.

Segundo o secretário adjunto de Cultura, Thiago Marques, a restauração é necessária para manter a singularidade artística do local. “Alguns elementos foram se deteriorando com o desgaste natural do tempo e precisam de manutenção. É importante frisar que não serão feitas alterações na estrutura da casa, apenas ações de conservação do patrimônio”, ressaltou. 

A restauração do patrimônio está em alinhamento com as secretarias de Governo, Urbanismo e Arquitetura, Turismo, procuradoria-geral e com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).  

A Casa da Flor

Importante obra de destaque nacional da arquitetura espontânea, a Casa da Flor é um conjunto cultural material, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O espaço, formado por mosaicos, colunas e esculturas de materiais descartados, carrega a identidade e humildade do seu criador, Gabriel Joaquim dos Santos. 

Filho de uma índia e de um ex-escravo africano, Gabriel dos Santos começou a construção da casa de pau-a-pique, com pé-direito baixo e chão de pedra em 1912. Seu sonho era adorná-la com arte, mas não sabia bem como fazer isso sem recursos. Foi quando, inspirado por um sonho, começou a embelezar a casa com mosaicos, esculturas e enfeites diversos coletados no lixo e a partir de objetos quebrados. Segundo ele, eram “coisinhas de nada”: búzios, conchas, depósitos da lagoa, detritos industriais, pedaços de azulejos, faróis de automóveis, cacos de cerâmica, ladrilhos, tampinhas, pedrinhas e correntes.

Como resultado, a arquitetura espontânea da Casa da Flor é comparada às obras de grandes arquitetos, como Ferdinand Cheval, na França, e Antoni Gaudi, em Barcelona. A casa é considerada uma espécie de “barroco intuitivo”. 

Situada no bairro Parque Estoril, o espaço foi tombado pelo IPHAN em setembro de 2016 como Patrimônio Histórico Nacional, no Livro de Tombo de Belas Artes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here